Ministro diz em Jaraguá que inovação deve ser ganho coletivo à sociedade




O perfil de empreendedorismo da região, com ênfase à inovação, foi reconhecido pelo ministro Paulo Alvim, da Ciência, Tecnologia e Inovações, durante visita que fez a Jaraguá do Sul nesta sexta-feira (5), a convite da ACIJS.

No comando da pasta desde março último, Paulo Alvim se reuniu com lideranças regionais no Novale Hub Centro de Inovação, onde fez um relato sobre as ações de governo para que o país avance no panorama global do setor.

Na palestra, enfatizou a importância de uma política de Estado que privilegie as relações entre governo, iniciativa privada e instituições dedicadas à pesquisa, e situou o município como uma referência positiva para o fortalecimento das áreas de pesquisa e desenvolvimento. Segundo ele, a região conta com diversas empresas de atuação internacional, com projetos e iniciativas que podem ser replicadas para atender outras demandas no Brasil.

Para a presidente da ACIJS e do Centro Empresarial, Ana Clara Franzner Chiodini, e para o presidente do Conselho de Administração do Novale Hub, Luis Hufenüssler Leigue, a visita do ministro foi importante para uma percepção do governo em relação ao polo de desenvolvimento da inovação representado pelo município e região. “Ter essa visão externa, de quem acompanha e gera as movimentações em Brasília, é fundamental para fomentar novas iniciativas”, disse Luis Leigue ao lembrar que a inovação é uma vertente reconhecida do empreendedorismo na região, com iniciativas voltadas à inovação em setores como a metal mecânica, têxtil, químico e de alimentos, entre outros.

“Essa veia empreendedora permite que as cidades da região, nos mais diversos aspectos, estejam atuando juntas. É o que se percebe agora, na construção desse ecossistema de inovação”, reforça Ana Clara, citando a importância do engajamento da comunidade em prol do desenvolvimento regional. Daniel Godinho, vice-presidente de Articulação Institucional da ACIJS, reconheceu o empenho do governo federal e, especialmente, a condução que o ministro tem dado aos diálogos com o setor produtivo, abertos e propositivos, em favor de uma articulação com empresas e instituições que se dedicam à inovação.

O ministro apresentou um panorama do setor no País e como o MCTI atua para um maior estímulo à pesquisa e desenvolvimento, enumerando medidas que, segundo ele, representam investimentos para a economia futura, com aumento da produtividade e a redução de custos, mas principalmente, que promovam mais geração de renda.

Dentre as ações estão editais e chamadas públicas que envolvem recursos para apoio na estruturação de laboratórios em111 centros de pesquisa em 26 estados, somando R$ 439 milhões, parceria com os governos estaduais no apoio a mais de 200 projetos com investimento de R$ 300 milhões, um programa para a colocação de profissionais com doutorado e mestrado em empresas para a aceleração de processos de inovação, e a aplicação de cerca de R$ 1 bilhão em subvenção econômica para setores como o de energias alternativas e biotecnologia. O Objetivo, aponta, é direcionar recursos para áreas estratégicas capazes de acelerar a agregação de valor, com o objetivo de fortalecer o que ele define como ‘círculo virtuoso da economia’.

Em relação à chegada da tecnologia de última geração representada pela internet 5G, o ministro disse que a pasta acompanha o processo de inclusão de Jaraguá do Sul ao projeto nacional como uma das cidades pioneiras no País, junto à Agência Nacional de Desenvolvimento Industrial (ABDI), responsável pelo programa Conecta 5G.

“É um esforço tecnológico importante, mas que não pode representar somente ter um celular mais rápido e sim que permita acessar os sistemas de saúde ou a melhoria do processo educacional. Há um ganho coletivo, para as empresas com um ambiente de produtividade, mas também para as pessoas, para que a sociedade avance”, acentuou.