Presidente eleito da Facisc faz visita à sede da ACIP de Palhoça




O presidente eleito da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc) para a gestão 2021/2023, Sérgio Rodrigues Alves, visitou (08.12) a sede da Associação Empresarial de Palhoça (ACIP) onde foi recebido pelo Presidente Ivan Cadore e pelo Presidente do Conselho Superior da Entidade, Marcos Cardoso Canto.
Alves esteve acompanhado de diretores colegas, Ricardo Harger Martins e Odílio Guarezi, do Executivo da Facisc, Gilson Zimmermann e da Consultora Regional Carina Casanova. Também acompanharam o encontro pela ACIP a Conselheira Fiscal e também Vice Presidente eleita do Cejesc, Kamila Souza Laurindo e a Executiva da ACIP, Evelyn Franco.
O novo dirigente da Facisc revelou ter uma ligação muito estreita com o município, origem da sua família, seu avô Reinoldo Alves tendo sido prefeito na década de 30 e ele ter recebido o título de cidadão honorário da cidade das mãos do ex-governador Ivo Silveira, também um cidadão palhocense.
Com a visita, Alves disse que procura fortalecer os laços entre as Entidades dentro dos propósitos que norteiam o associativismo.
– Tenho aproveitado esta fase de transição do mandato para percorrer as entidades em todas as regiões sempre deixando uma mensagem a favor de uma gestão participativa e aproveitando para levantar um volume precioso de sugestões e ideias para o mandato que vai ser iniciado agora em 2021.
Com o planejamento estratégico da gestão em fase de finalização, Alves antecipou que a Facisc terá reuniões mensais (nas terceiras quintas de cada mês) e sempre abrindo espaço para a participação de presidentes de ACIs.
Ivan Cadore, da ACIP de Palhoça, agradeceu a visita e reiterou o propósito de trabalhar pelo fortalecimento da representatividade das Entidades, cada qual em seu espaço e objetivos.
Outro ponto abordado pelos representantes da ACIP é a questão da territorialidade da atuação das ACIs, onde Cadore e Cardoso defenderam um posicionamento da Facisc como mediadora para que sejam celebrados acordos de limites de atuação das Entidades nos seus respectivos municípios.
– Trabalhamos todos juntos e de forma voluntária pelo crescimento do associativismo, sendo relevante que os limites regionais dos municípios sejam respeitados pelas ACIs, tanto em filiação de empresas associadas como na comercialização de soluções e programas – defendeu Cadore.