Panorama de gestão do associativismo empresarial catarinense é apresentado em live especial da Facisc




A Facisc apresentou nesta quinta-feira (30/06) o resultado do Relatório do Diagnóstico de Gestão das ACIs de 2022.

No encontro, o consultor Deinyffer Marangoni apresentou os indicadores de maturidade da gestão das entidades a nível estadual, regional e também em relação ao porte.

Uma ação do Programa A +, o diagnóstico de gestão foi aplicado pelas consultoras de atuação regional, de janeiro a maio, nas associações empresariais filiadas à FACISC, levantando a maturidade em oito áreas da gestão, que foi estratificada por porte e por regionais.

O levantamento contém ainda outros dados referente ao Sistema FACISC, como por exemplo, o número de colaboradores por ACIs, o porte das entidades do sistema e os principais pontos de melhorias nas oito áreas de gestão das entidades.

Surpreso com o relatório, o presidente Sérgio Rodrigues Alves ressaltou que a riqueza de informações permitirá planejar muitas ações. “Estamos cumprindo com os propósitos que assumimos desde o início da gestão, de levar para as oportunidades e soluções para que as associações possam se desenvolver e crescer. Temos em mente que devemos sempre pensar e levar o melhor para os associados e o Programa A + permite isso. O que me orgulha muito”, destacou o presidente Sérgio Rodrigues Alves.

Coordenador do Programa, o vice-presidente Elson Otto, afirmou que o A + permite levar um serviço de qualidade e mais ágil para as associações, melhorando a gestão da entidade e consequentemente o serviço levado ao empresário. “O diagnóstico é um raio – x bem concreto das associações, pois demonstra claramente que podemos fazer ainda mais, pois podemos ver os pontos positivos e onde podemos melhorar ”, reforçou Elson.

Rogério Isnar Patrício, presidente da ACIDI de Indaial, enalteceu o levantamento e afirmou que é um presente para o Sistema, pois amplia a visão da ACI e facilita o planejamento das ações da gestão.

Para o Ceo da Associação Empresarial de Florianópolis, Eduardo José Perone, a Facisc dá um grande passo com este trabalho. “Sem dúvida é um passo extremamente importante, pois com a gestão do conhecimento, aliada à inteligência e a competência daremos um passo qualificativo na gestão das Acis”, reiterou o gestor.

Para a coordenadora de projetos, Caroline Silveira Rodrigues, são dados inéditos que permitirão as ACIS se olharem e verem onde precisam melhorar e à Facisc permitirá saber onde é possível ajudar as entidades. “Nosso objetivo é dar continuidade ao projeto e ter comprovações das melhorias no futuro”, complementou.

Acesse AQUI o diagnóstico.