Nossos líderes: Entrevista com Moacir Dagostin




Em mais um episódio da série de entrevistas com lideranças do associativismo lançamos hoje a entrevista com Moacir Dagostin, sócio administrador da São Marcos Participações Ltda, empresa de investimentos e participações societárias e presidente da Associação Empresarial de Criciúma (ACIC).

Como começou sua trajetória no associativismo?

Participo das ações voltadas ao associativismo há mais de 15 anos. Integrei o Conselho Superior da Acic e a diretoria executiva. Também participei da fundação do Observatório Social de Criciúma, iniciativa que nasceu na associação empresarial, e impulsionou a criação de outros observatórios na região carbonífera. O Observatório Social de Criciúma tem sido uma importante ferramenta de controle e monitoramento na aplicação dos recursos públicos à cidade, com inúmeras ações já realizadas durante os sete anos de atuação.
Ocupo desde 2018 a cadeira de presidente Acic, encerrando em dezembro o segundo mandato.

Também participei como conselheiro em várias entidades, como Unesc, Sociedade Recreativa Mampituba e Criciúma Esporte Clube.

O que o motiva a seguir no associativismo?

O associativismo é uma ferramenta fundamental para as soluções e desenvolvimento dos negócios, facilidade na resolução de temas de interesse coletivo, crescimento das empresas e desenvolvimento socioeconômico de uma região. O protagonismo do movimento associativista ficou ainda mais evidente com a pandemia do novo coronavírus. A união e a força foram fundamentais para que pudéssemos e ainda estamos buscando vencer os desafios da saúde e da economia.


Quais as suas principais participações e realizações em projetos relacionados ao associativismo?

Em 77 anos de história, a Acic levantou bandeiras, brigou para ver atendidas as demandas da região e acumulou conquistas. Em tantos desafios que a nossa região passou, a Acic teve um papel muito importante para amenizar os obstáculos. Teve atuação em problemas pontuais e defendeu reivindicações importantes junto ao governo municipal, estadual e ao federal e promoveu ações para fortalecer a região politicamente. O papel do associativismo ao confirmar conquistas de infraestrutura para a região foi primordial. As entidades empresariais passaram a trabalhar junto com a classe política, não só cobrando, mas também oferecendo soluções. Com a crise gerada pela Covid-19, a necessidade desse trabalho em conjunto tornou-se vital, no sentido de juntar forças e oferecer apoio para a superação das dificuldades comuns.

Especialmente, na minha gestão, implantamos importantes projetos como o Prêmio Acic de Valorização do Profissional da Educação, o Selo de Melhores Práticas de Sustentabilidade Ambiental, Prêmio Empresa do Ano, a concretização do projeto do Centro de Inovação de Criciúma e diversas outras ações de interesse da classe empresarial e de toda a região Sul.

 

O que diria para um empresário que ainda não é ligado a uma associação empresarial?

É primordial que empresários e empresas estejam ligados ao associativismo. O espírito do associativismo é o trabalho em conjunto, promoção do bem comum e o desenvolvimento socioeconômico. Por isso, é tão importante esse engajamento. Estar associado a uma entidade de classe fortalece e dá voz aos interesses coletivos de um segmento, de uma região e têm maior relevância e representatividade junto a órgãos, entidades e Poder Público. Sozinhos somos apenas mais um, já com a união fomentada pelo associativismo, conseguimos muito mais conquistas.

Que conselho deixaria para as futuras gerações?
O espírito empreendedor e de liderança sempre estiveram comigo de forma muito intensa.  Desde muito cedo fui em busca dos meus sonhos e objetivos. Um dos meus grandes sonhos, lecionar, se concretizou. Atuei como professor por mais de 20 anos. Com formação em contabilidade, aos 43 anos também busquei uma nova graduação e me formei em Direito. Com a experiência que tenho, diria para as futuras gerações que busquem o conhecimento constante e participem de entidades e movimentos associativistas. Novas oportunidades e competências são cruciais no momento atual e futuro. Transparência, honestidade, simplicidade, determinação e otimismo são adjetivos essenciais para aqueles que desejam sucesso na vida pessoal e profissional. Planejamento também é uma palavra que deve acompanhar os nossos jovens, que estarão no futuro à frente do comando das empresas da região e das próprias associações empresariais.