Nossos líderes: entrevista com Edemar Ênio Wieser




O associativismo tem o poder de transformar e formar lideranças.  Com o objetivo de dar visibilidade aos líderes que nos inspiram e fazem a roda do Sistema Facisc seguir girando, apresentamos Edemar Ênio Wieser, presidente da Associação Empresarial de Gaspar (Acig) e empresário da Momil Alimentos.

Há quanto tempo está no associativismo?

Edemar: Desde 21/08/2008, oficialmente.

 

Como começou sua trajetória no associativismo?

Edemar: Tudo começou com um convite para participar de uma reunião da diretoria da Acig. Dali em diante, vi engajamento, pessoas de bem querendo transformar por meio do associativismo a realidade do empresariado. Foi um sentimento que me fez despertar e entender que a transformação que os empresários tanto querem e precisam brota do associativismo. Mal sabia que, anos mais tarde, estaria à frente da Associação Empresarial. É um orgulho que não cabe no peito.

 

O que o motiva a seguir no associativismo?

Edemar: O que mais me motiva a seguir no associativismo é o poder de transformação dele. Ser um associativista, na minha opinião, é um caminho sem volta. 

 

Quais as suas principais participações e realizações em projetos relacionados ao associativismo?

Edemar: A Acig desde o seu início trabalha incansavelmente com o objetivo de proporcionar melhores condições de desenvolvimento dos negócios em um ambiente cada vez mais fértil. Hoje, frente à entidade, nossa equipe está engajada em projetos como: 

  • Readequação do número de efetivo policial na região; 
  • Acompanhamento da execução do Voz Única Municipal; 
  • Ingresso de ações coletivas tais como:  recorrer aos valores pagos desde 20 de outubro de 2015 pelos tributos do INSS incidentes sobre o salário maternidade, prêmio assiduidade e sobre o aviso prévio indenizado, bem como a exclusão do ICMS destacado nas notas fiscais de saída da base de cálculo do PIS e da COFINS, e a possibilidade do associado restituir ou compensar valores recolhidos indevidamente de INSS patronal, RAT e terceiros sobre o aviso prévio indenizado, salário maternidade, abono assiduidade e auxílio doença. Para todos, as ações já tiveram êxito na justiça e a partir de então, as empresas já podem se beneficiar;
  • Levar consultorias gratuitas aos associados por meio do SEBRAE;
  • Parceria entre a Acig e o BRDE, com o objetivo de facilitar o contato entre o empresariado e o banco para esclarecimentos de dúvidas;
  • Lives com os associados para abordar assuntos jurídicos frente à Pandemia;
  • E a mais recente conquista, por intermédio da FACISC, a ACIG pleiteou e conseguiu a mudança na legislação catarinense para incorporação do Danfe Simplificado. 

 

O que diria para um empresário que ainda não é ligado a uma associação empresarial?

Edemar: Que se associe. As entidades são meios muito prósperos e de credibilidade para dar respaldo ao empresário em todas as suas necessidades, desde as mais simples até as mais complexas. O associado encurta caminhos, agrega benefícios e o mais importante: em conjunto ganha vez e voz em reivindicações que lhe interessam diretamente. A Associação Empresarial existe para servir aqueles que são sua motivação: o empresário. 

 

Que conselho deixaria para as futuras gerações?

Edemar: Tenham empatia e busquem capacitação. Essas duas características são fundamentais quando analisamos os rumos do mercado de trabalho. No mundo empresarial, ser competitivo faz parte do jogo, mas é imprescindível ter a convicção de que essa competitividade deve ser algo saudável e necessário para o crescimento do negócio. Quem se empenha em fazer o seu melhor e agregar valores – não apenas financeiros, importantíssimos, mas também os morais – inevitavelmente está um passo à frente.