Empresa de Ituporanga, ACEI e IFC de Rio do Sul firmam parceria para pesquisas no cultivo da cebola




Avaliar os reais benefícios da aplicação de nutrientes e insumos biológicos é fundamental para garantir segurança no manejo das lavouras. Buscando isso, uma parceria inédita entre as empresas Agropecuária Zecão de Ituporanga, Ballagro e Compass Minerals, juntamente com o Instituto Federal Catarinense (IFC) de Rio do Sul, com apoio da Associação Empresarial de Ituporanga (ACEI), viabilizou a realização de uma pesquisa que promete contribuir na melhoria da produtividade da cebola.

De acordo com o Engenheiro Agrônomo, professor do IFC de Rio do Sul e coordenador do projeto, Oscar Harthmann, os experimentos analisam os ganhos da aplicação, via solo e foliar, de diversos produtos já disponíveis no mercado. “Os estudos são com a cebola Valessul para aplicação de bionematicidas, biofungicidas e nutrientes. Estamos na primeira safra experimental. Os resultados de cada etapa são importantes, mas só em três anos teremos mais precisão nas recomendações”, diz.

Mais segurança na escolha de insumos

Ao todo são 10 tipos de tratamentos distribuídos nas áreas biológica e de nutrição. Além das marcas parceiras do projeto, Compass Minerals e Ballagro, empresas concorrentes também estão sendo avaliadas. De acordo com o técnico da Agropecuária Zecão, Deivis Adriano, não se tratam necessariamente de testes, mas estudos mais aprofundados. “Queremos ter um apoio extra para validar a eficácia deles na nutrição, no desempenho da muda e no bom custo-benefício ao produtor”, explica.

Melhoria de produtividade e receita

Graças a parcerias no campo da pesquisa, a produtividade da cebola na região tem aumentado nas últimas décadas. No Alto Vale do Itajaí estima-se o cultivo de aproximadamente 14.000 ha e uma receita de aproximadamente R$500 milhões. Em Ituporanga, nos últimos 30 anos, a média de produção mais do que dobrou. De acordo com o economista e sócio-proprietário da Agropecuária Zecão, Tiago Eifler, isso justifica a importância da união entre empresas e instituições de ensino superior para validação de novas tecnologias.

“Quem conheceu e viveu a história do cultivo de cebola na região de Ituporanga sabe a quantidade de desafios que já foram superados. Por isso, nossa meta é contribuir com mais ações de pesquisa. Queremos ter ainda mais certeza de que os produtos que o produtor escolhe, fazem mesmo a diferença na lavoura”, afirma.

Oportunidades e incentivo à ciência

O projeto que começou neste ano, é a primeira pesquisa com investimento privado do IFC de Rio do Sul. Além de contribuir para a cultura da cebola, a iniciativa proporciona chance a estudantes de participar dos estudos através de bolsas custeadas pelas empresas parceiras.

“Dois alunos de Agronomia estão sendo contemplados com bolsas de estudo para nos auxiliar no projeto. Além da contribuição para a melhoria do manejo da cebola, a parceria serve de aprendizado aos estudantes e valoriza o papel do trabalho acadêmico no fortalecimento da agricultura”, destaca o coordenador da pesquisa, professor Oscar.

As bolsas têm um investimento de R$400,00 por mês a cada aluno, somando R$9.600 por ano. Os valores foram definidos com base naqueles praticados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Os estudos são financiados pelas empresas Compass Minerals e Ballagro. Já os insumos e equipamentos são doados pela Agropecuária Zecão que também forneceu o sistema de irrigação, avaliado em R$13 mil.

Os estudos devem seguir até 2022. Nesse período, o projeto prevê a realização de Dias de Campo com a participação de estudantes dos cursos técnico e superior da área de ciências agrárias, estendendo o convite para agricultores e profissionais externos interessados nas pesquisas.

Apoio do setor empresarial

Primeiro projeto do gênero apoiado pela Associação Empresarial de Ituporanga (ACEI), a parceria é considerada pela entidade o passo inicial para ampliar o apoio a estudos de melhoria nas lavouras e incentivar o empreendedorismo rural. “Pretendemos dar apoio a mais ações como essa e, mais adiante, talvez possamos até criar ou reativar o nosso Núcleo de Empreendedorismo Rural”, completa a presidente da Associação Empresarial de Ituporanga (ACEI), Roseli Vieira.