Em reunião da ACIB, Furb apresenta pesquisa com principais preocupações dos blumenauenses na pandemia




Segundo pesquisa realizada pelo projeto Focus, da Furb, 85% de um universo de 800 pessoas entrevistadas em Blumenau estão muito preocupadas ou preocupadas com relação ao desemprego no momento atual. Quando o assunto são as empresas quebrando, 87,6% dos entrevistados estão muito preocupados ou preocupados, numa predominância entre as faixas etárias mais altas, porém em todas as faixas de rendas. 

 

Os resultados da pesquisa intitulada “Preocupações e expectativas do blumenauense em tempos de Coronavírus”, foram apresentados em reunião online da Acib nesta segunda-feira (06) pela professora Cynthia Quadros. O levantamento foi feito entre os dias 11 e 15 de junho. 

 

Alguns dos índices mais preocupantes para a diretoria da Acib foram os relacionados ao interesse das pessoas com relação às eleições de 2020: 57,4% dos entrevistados se disseram pouco ou nada interessados; 74,2% se mostraram desinformados sobre o assunto e quase 86% nada ou pouco otimistas com relação às eleições de 2020. “Precisamos ter um projeto de futuro para a cidade e que o poder público possa gerir os recursos de uma maneira mais eficiente”, apontou o presidente da Acib, Avelino Lombardi. 

 

Também foi perguntado aos entrevistados o quanto estão preocupados com as medidas de segurança que estão sendo adotadas pelas empresas, tanto para proteção dos funcionários quanto para os clientes: 77,6% estão preocupados ou muito preocupados. 

 

Com relação ao sistema de saúde pública, os número são semelhantes: 81% estão preocupados ou muito preocupados, numa predominância feminina. Já quanto ao sistema de saúde privado, 55,5% se mostraram preocupados ou muito preocupados. 

 

A liberação de atividades essenciais também teve um número alto de preocupados e muito preocupados: 70%. Além disso, 81,2% estão preocupados ou muito preocupados com o comportamento dos blumenauenses em relação ao distanciamento social

 

Quanto ao uso das máscaras, mais de 70% responderam estar preocupados ou muito preocupados. Sobre o retorno das atividades escolares e acadêmicas, 79,2% estão preocupados ou muito preocupados, índice semelhante ao do retorno do transporte público. 

 

adiamento ou cancelamento da Oktoberfest teve um índice de 45,8% de nada preocupados, 14,4% indiferentes e 14,8% pouco preocupados. 

 

Segundo os dados apresentados pela professora Cynthia, os entrevistados também se mostraram ligeiramente mais preocupados com a saúde mental do que física. Além disso, foi demostrada grande preocupação com relação a manutenção da renda e do emprego. Cerca de 84% dos entrevistados já cortaram gastos e 21% deixaram de pagar alguma conta por causa da crise do Coronavírus. Entre os respondentes, 57% está repensando a mudança de comportamento para um consumo mais consciente. O aspecto que teve maior número de pessoas que se disseram muito preocupadas foi com relação a repensar as prioridades na vida pessoal. 

 

A prioridade para o próximo governo, segundo os entrevistados, seria melhorar a qualidade da educação, seguida de geração de empregos, melhorar os serviços de saúde, promover o crescimento da economia e redução da desigualdade. 

 

O relatório completo pode ser acessado no link: http://escaninhonline.blogspot.com/2020/07/