Coordenador de Implantação da Arteris participa de reunião virtual da diretoria da ACIL




Projeto de duplicação da BR 116 esteve em pauta na reunião virtual da diretoria da Associação Empresarial de Lages realizada na noite desta segunda feira, 29 de junho. Na ocasião, o coordenador de Implantação e Conserva da Arteris Planalto Sul, Tiago Bortoli, atualizou os empresários sobre o andamento do projeto.
De acordo com Bortoli, devido a pandemia do coronavírus, o projeto de duplicação sofreu atrasado no cronograma de entrega. “Até o final de julho será entregue o projeto do trecho de Lages, já contemplando a extensão de 7 km. Na sequência iremos protocolar na ANTT, já com os orçamentos. Aí segue um cronograma até o final do ano, para os demais segmentos”, explicou. Explicou que é uma obra extra contratual então requer o equilíbrio financeiro do contrato e, por isso, depende da validação da ANTT.
Sobre o trevo de acesso a Berneck, ele explicou que existe um projeto, realizado pelo proprietário do posto de combustível que fica ao lado da empresa, que deverá além do posto, a JBS e a Berneck. Por ser um projeto particular, será necessário uma análise por parte da concessionária que deverá encaminhá-lo, posteriormente à ANTT para análise e aprovação. Segundo Bortoli, a Berneck está ciente que para atendê-la é preciso fazer algumas adaptações e está sendo dada sequência a este projeto que seria um trevo em nível. “O nosso projeto de duplicação prevê um trevo em desnível, que seria a condição ideal. Só que nós entendemos que este projeto irá atender as necessidades das empresas. O projeto funcional do posto já foi validado e agora foi liberado para estar desenvolvendo o projeto executivo, mas é um projeto particular”, destacou ele. Quanto ao acesso à Coxilha Rica, informou que é um projeto do Governo de Santa Catarina e já foi para aprovação da ANTT. Após a aprovação, a empresa que presta serviço para o Estado será liberada para executar a obra.
Com relação as terceiras faixas, no início de 2020 a concessionária entregou 10km, que compreendem Correia Pinto, Ponte Alta e parte da serra do Espigão. Estão previstas ainda, obras ao longo da serra do Rio Pelotas, mais alguns trechos da serra do Espigão e um segmento próximo a ela. “O objetivo é contemplar o restante da serra do Espigão com terceiras faixas. Essa obra está prevista para o primeiro semestre do ano que vem”, finalizou.