Em Criciúma, aumento de operações on-line eleva demanda por Certificado Digital




A pandemia de coronavírus ampliou de forma exponencial as operações on-line. Devido às restrições impostas na tentativa de conter o vírus, as empresas precisaram adotar o home office, bem como buscar alternativas para manter o atendimento aos clientes e, nesse contexto, a internet serviu como uma grande aliada.

Conforme a Pesquisa Pulso Empresa: Impacto da Covid-19 nas Empresas, que faz parte das Estatísticas Experimentais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na primeira quinzena de junho, estima-se que o país tinha quatro milhões de empresas, sendo 2,7 milhões (67,4%) em funcionamento. Desse total, cerca de 32,9% das organizações alteraram o método de entrega de seus produtos ou serviços, incluindo a mudança para serviços on-line.

Por meio da Portaria 467/20, o Ministério da Saúde também aprovou a liberação da prática da Telemedicina no país, em caráter provisório, permitindo que os profissionais atendessem seus pacientes por videoconferência, emitindo e assinando as receitas e atestados remotamente.

“Esses são dois exemplos que mostram como o aumento de operações on-line elevou a demanda pelo Certificado Digital, sem o qual as vendas não poderiam ser realizadas ou os serviços médicos prestados”, enfatiza o presidente da Associação Empresarial de Criciúma (Acic), Moacir Dagostin.

Aplicações

A ferramenta equipara-se à assinatura física e tem validade jurídica, podendo ser utilizada desde ao assinar documentos quando o responsável estiver em home office até na emissão de notas fiscais de prestação de serviços e transações comerciais pela internet. E outras aplicações ainda estão por vir.

Sancionada em agosto de 2018 e com vigência prevista para maio de 2021, a Lei Geral de Proteção de Dados vai exigir adequações das empresas ao divulgar informações pessoais dos clientes, a fim de resguardar a sua privacidade. Nesse contexto, o Certificado Digital pode limitar o acesso de funcionários ao banco de dados interno da empresa, evitando o vazamento de informações. Outra utilidade importante será para checar o titular dos dados, a quem caberá autorizar ou não a divulgação.

Segurança

“O Certificado Digital garante a segurança, autenticidade, confidencialidade e integridade das informações. Se já era importante antes, tornou-se uma ferramenta fundamental agora”, considera Dagostin.

Atenta a essa necessidade, a Acic está com condições especiais à comunidade em geral para emissão do documento. Por tempo limitado, o E-CNPJ A1(sem mídia), com validade de um ano e instalado no computador, terá o valor reduzido de R$ 216 para R$ 175.

Além disso, a entidade disponibiliza um horário estendido, das 8 às 19 horas de segunda a sexta-feira, para atendimento a associados e ao público em geral, para emissão desse e de outros tipos de certificação digital a empresas e pessoas físicas.

Para garantir a comodidade e segurança dos clientes, a associação também realiza o atendimento por videoconferência nos casos de renovação, agregando essa opção ao serviço presencial e ao on-line, por meio do endereço www.acicri.com.br/certificacaodigital.

A certificação digital na Acic conta com a parceria da Certisign, a empresa responsável por essa tecnologia e a maior Autoridade Certificadora do Brasil, líder do setor na América Latina, com sede em todos os estados brasileiros e em alguns locais dos Estados Unidos.

Deize Felisberto
Assessoria de Imprensa da Acic